Valor Econômico – 14/02/2014

Michael Klein, que ajudou o pai Samuel Klein a criar a maior varejista de produtos eletroeletrônicos do país, já não tem tanta voz na Casas Bahia, mas dá expediente diário na antiga sede da empresa, no centro de São Caetano do Sul (SP). É de sua sala, no quinto andar, que ele busca novos negócios para investir, ancorado em um patrimônio de R$ 4 bilhões em imóveis e mais R$ 2 bilhões em caixa, verba captada com a venda das ações que detinha na Casas Bahia.

O negócio mais estruturado da família está na área imobiliária. São 345 lojas alugadas para Casas Bahia, Ponto Frio e outros varejistas, além de galpões, armazéns, prédios e agências bancárias. Em 2011, o valor patrimonial dos imóveis alugados somava R$ 2,3 bilhões. Ao fim de 2013, somava R$ 4 bilhões. A família, agora, busca novos negócios.

“Quem sabe possamos ter uma participação em shoppings ou indústrias. Chega de tudo a nossas mãos. Estamos abertos, mas tem que ser algo duradouro. Não é para entrar num negócio e sair logo depois”, disse Klein.